Cátia – nascimento de Rafael

Após partilhar minhas alegrias e angústias durante toda a gravidez, gostaria de partilhar a maior das alegrias, nasceu o meu pequeno grande homem, o Rafael.

Nasceu dia 01/01/2007 com 3.980 Kg e 51 cm, na Maternidade Pública Amparo Maternal. Parto cesárea – indicação devido após datismo (41 semanas) e cesárea prévia.

A minha gravidez foi muito tranqüila com o Pré Natal realizado pelo posto do SUS de Moema, tínhamos alguns medos com relação ao parto.

O meu filho Felipe nasceu com 42 semanas a três anos atrás e apesar da indução, a dilatação não evoluiu e tivemos que realizar uma cesárea, mas foi feito em um ótimo hospital, a Pró Matre e com uma ótima equipe, a do Dr. Marcos Tadeu Garcia.

Conforme orientação da minha médica, fomos a Maternidade com 40 semanas (dia 25/12). Começou a maratona de exames de toque e monitoramento. Eu já estava com 1 cm de dilatação desde que minha médica descolou as membranas com 38 semanas. Porém eu não entrei em trabalho de parto e nenhuma alteração ocorreu.

O médico de plantão pediu para voltar dia 27/12 que seria a DDP. Ouvimos o bebê e estava tudo bem. Voltamos dia 30/12 e dia 31/12 para monitoramento e os médicos descolaram novamente as membranas. Porém nada se alterava.

No dia 31/12 o plantão era da minha médica do posto e ela me disse que os procedimentos normais seriam, aguardar até 41 semanas e 3 dias para ver se evoluiria. Ela disse que era contra indução após cesárea e uma primeira tentativa de indução, mas que alguns profissionais aplicavam esse procedimento. Disse que estava tudo bem com o bebê, mas que não estava evoluindo, provavelmente seria cesárea novamente. Pediu para eu voltar no dia seguinte cedo e talvez já ficaria.

Chegamos a Maternidade dia 01/01 às 8 hs e a médica disse que estava calmo e que me internaria. Apesar de tudo, fiquei muito aliviada, pois veria a carinha do meu filhinho naquele dia.

Fizemos o processo de internação, mas infelizmente tivemos a notícia que meu marido não poderia assistir ao parto, pois eles acreditam que aumenta o número de infecção. Ele só poderia ver o bebê quando ele fosse para o berçário e me veria apenas no dia seguinte.

Subi para a sala de preparo, onde me colocaram uma sonda (horrível) e o soro. Mas o lugar era muito leve, tudo muito branco, com enfermeiras agradáveis e com rádio sintonizado na Alfa FM. Nada com cara de hospital público (não sei se melhorou, mas o centro cirúrgico da Pró Matre era muito feio).

Demorou um pouco, pois os médicos estavam almoçando e ainda teria uma cesárea na minha frente. As 14:30 hs me levaram para dentro da Sala do Parto, também muito clean, com metade de uma parede de tijolos transparente que entrava uma luz natural e as luzes não precisavam ser fortes devido à claridade do dia.

Enquanto as enfermeiras me preparavam entrou o médico anestesista, um senhor que me pareceu muito experiente. Começou a puxar vários assuntos, para me distrair, enquanto aplicava com muita delicadeza a anestesia. Nem senti. Depois chegou a médica e a auxiliar. Essas eu achei estranhas, chegaram, não falaram comigo, quando pensei que estavam começando, já escutei o primeiro choro do meu filhinho. Meio engasgadinho, mas muito fofo.

Eu não o vi sujinho, quando voltou depois de uns minutos, já estava pronto para ir ao berçário. Lindinho, branquinho e a enfermeira disse que nem adiantava colocar macacão RN nele que não iria servir. Mostrou as pulseirinhas e que ele era o 12° bebê que nascia no ano de 2007 nessa maternidade. Essa hora realmente é muito feliz, mágica e única. A gente espera 9 meses por esse momento e quando ele chega, é uma mistura de sentimentos que não tem explicação.

Terminaram a cirurgia e fui para a sala de recuperação, onde parecia que estava no pólo norte. Muito frio, efeito da anestesia. Estava com mais duas mamães e ouvindo a mesma rádio, mas não vendo a hora de ir para o quarto. O tempo todo mandava energias para minhas pernas mexerem o quanto antes para eu ver meu bebê.

Após umas 2 horas descemos e foi aí que começou a maratona de alegrias e de dor. Já tive que sair da maca sozinha. Após umas 2 horas é que veio meu lindinho. A enfermeira colocou para mamar, pois eu não podia levantar a cabeça. Depois veio uma sopa e colocaram-no no bercinho ao meu lado. Após 12 horas de cirurgia me levaram para o primeiro banho e a partir daí, tive que cuidar de tudo sozinha. É uma sensação boa, mas muito dolorida. Tudo dói, mas estar o tempo todo com o meu pequenininho compensava tudo.

O meu marido foi no horário de visita e me mostrou o filme que ele fez quando o Rafael passou. Ele é a cara do Felipe. Se tivesse gêmeos não seria tão igual.

Saí na quarta pela manhã, com todas as vacinas dadas e pelo tempo, só tivemos que voltar para fazer o exame do pezinho.

Ele é lindo! Essas duas últimas noites dormiu a noite toda. O meu leite está jorrando. E ele mama e dorme. Estamos super felizes! O Felipe aceitou bem e está muito feliz com o irmãozinho. Não teve crises e me ajuda a cuidar.

Gostaria de agradecer a todos que compartilharam conosco a gravidez. Ao Dr. Marcos, por tudo e a Débora pelo carinho.

Um beijinho

Cátia (mãe do Felipe 3 anos e do Rafael 8 dias)