Juliana Costacurta Marcato – nascimento do Felipe

A gravidez do Felipe foi muito esperada e desejada. Tenho SOMP (Síndrome do ovário micro policístico) desde os 15 anos de idade e depois de pouco mais de um ano de tratamento, muitas tentativas e um aborto, finalmente em fevereiro de 2009 descobri que estava grávida. Meu marido (Tiago ou “Gui”) e eu ficamos radiantes e logo contamos a novidade a toda família.

No começo nem acreditava que estava grávida e acho que a “ficha só caiu” quando fizemos um ultrassom com quase 7 semanas e vimos (e ouvimos) o coração do bebê.

Sou MUITO ansiosa e por isso quando estava com 10 semanas fiz o exame de Sexagem fetal e descobrimos que Felipe chegaria em outubro.

A gravidez foi abençoada. Não tive enjôos, não engordei muito (13 kg) e não inchei. E desde sempre queria Parto Normal. Nasci por Parto Natural, método Leboyer, há 26 anos, então queria a mesma coisa para o meu filho: “Nascer sorrindo”.

Marquei consulta com uma obstetra da equipe do Hospital São Luiz, muito boa médica, me apoiou o tempo inteiro na decisão de um parto normal, mas aos 7 meses de gestação descobri que ela só faria o meu parto com o máximo de intervenções possíveis (lavagem, epsio de rotina, tricotomia, anestesia e o que eu mais temia: parto realizado em posição horizontal – ou ginecológica). Saí desta consulta alucinada, chorando, xingando, revoltada por não ter percebido qual seria a conduta dela antes. E pensava: Meu Deus! E agora! Onde vou achar um médico que me aceite em plenas 33 semanas de gestação e que tope fazer o parto do “meu jeito”.

Faço parte de um grupo de discussão desde a época em que tentava engravidar, então assim que cheguei em casa, entrei no grupo e pedi indicações de profissionais humanizados e já avisei ao meu marido: Vamos ter que pagar tudo particular, provavelmente, porque nenhum obstetra humanizado atende convênio médico (que realmente paga uma “merreca”).

O primeiro nome da lista de indicações era ele: Marcos Tadeu Garcia. Liguei na hora e consegui consulta para a semana seguinte. Em 1h30min de consulta já saí de lá decidida: Seria ele o responsável por me ajudar a trazer o Felipe ao mundo! Quanta diferença da outra médica e o quanto eu devo ter perdido (de conhecimentos e dicas) por não te-lo encontrado antes…

Agora vamos ao parto:

Nos dias 11 e 12/10 tive contrações indolores, porém regulares o dia todo, mas na consulta de terça-feira, 13/10, ainda não tinha nenhum sinal de dilatação. Saí arrasada… E pensando nos problemas que poderia ter, caso precisasse induzir meu parto (meu marido vai mudaria de emprego e estava com tudo planejado para o convênio atual).

Na noite de sexta-feira, 16/10/2009 por volta das 20 hs, comecei a sentir as primeiras contrações acompanhadas de um certo desconforto, semelhante a cólica menstrual (mas não igual – doía mais as costas do que a barriga) – bem diferente das contrações de BH, e desde a primeira eu sabia que tinha chegado a hora. Por volta das 22 hs, tomei duas xícaras de chá de canela com casca de limão, para ver se o TP engrenava… rsrsrs. As contrações começaram a aparecer a cada 30 minutos e eu fui dormir.

Por volta das 2 hs da manhã, as contrações estavam a cada 6 minutos mais ou menos, mas estavam durando menos de 30 segundos, então resolvi esperar amanhecer. Às 7 horas liguei para o Dr. Marcos que disse que provavelmente o TP ainda estava no começo (apesar de ter cerca de 10 – 15 contrações por hora) porque eu ainda estava muito bem humorada…rsrsrs. E ele avisou: se for para o São Luiz agora vão te mandar de volta! Confesso que na hora fiquei até meio chateada…rsrs, mas resolvi dormir já que estava acordada desde as 2 hs. (E durante a madrugada fiz de tudo até lavar e pendurar roupas..rs).

Às 11 hs as contrações começaram a durar um pouco mais e começaram a incomodar. Pedimos comida chinesa, almoçamos e pedi para o meu marido me levar para o Hospital, mesmo sabendo que poderia ter menos de 3 – 4 cm de dilatação e talvez fosse mandada de volta… Mandei uma mensagem para o Pager do Dr. Marcos e fui… E ele mais uma vez falou acho que você vai voltar..rsrsrsrsrs

Mas… assim que fui examinada descobri que estava com 4 cm de dilatação!!!!! O Doutor nem acreditou! Disse que eu disfarçava muito bem..rs

Fui para a LDR do São Luiz às 15 hs, esperar o Dr. Marcos chegar (aliás ele é ótimo, vai assim que você é internada e não só para “pegar o bebê”), quando chegou conferiu a dilatação e disse que ia demorar…

Ainda ficamos brincando com a história do horário de verão dizendo que era melhor não nascer a 24 hs…rs

Ficamos tentando achar sinal da internet sem fio (meu marido e eu, cada um com o seu notebook). O Dr. Marcos até filmou a cena e quando as pessoas vêem sempre falam que nem parece que eu estava “parindo”.

Depois de 4 horas em pé, caminhando e sentada na bola de fisio (enquanto meu marido e o Marcos assistiam calmamente ao treino da Fórmula 1), cheguei a 5 – 6 cm de dilatação e meninas, nesta hora eu já estava IMPLORANDO anestesia. Desde o começo meu plano era ter um parto natural, mas estava muito difícil. Até 5 cm fui numa boa, mas quando começou a evoluir eu pirei! O Marcos liberou o uso da banheira, pois agora o TP não ia parar e era uma tentativa deu esperar mais tempo pela analgesia ou nem usar… Mas a água não ajudou nada e depois de 2 contrações já estava fora d’água esperando o anestesista.

(Ah… No meu plano de parto tínhamos combinado que ninguém me oferecia analgesia e só poderiam me dar se eu pedisse “fora” de uma contração e foi exatamente assim).

Tinha pavor da analgesia, pelo principal motivo de correr o risco de ficar com as pernas bobas e não poder parir de cócoras ou outra posição que eu escolhesse. E realmente foi o que aconteceu… O processo da anestesia foi MUITO tranqüilo não senti dor alguma e em menos de 10 minutos já estava no meu estado normal. Não sentia as dores, mas sentia muito bem as contrações.

O porém é que não sentia mais nada da barriga para baixo, as pernas ficaram “mortas”. Logo depois da anestesia minha dilatação chegou em pouco tempo em 8 – 9 cm. Mas o Felipe começou a ter oscilações no batimento cardíaco… E só melhorava quando eu ficava numa posição quase ginecológica (um pouco mais sentada). Descobrimos uma circular apertada de cordão (nunca apareceu em nenhuma US, só descobrimos por causa das oscilações). Nesta hora o Marcos falou, quando eu romper sua bolsa, vou controlar a descida do bebê, para tentar evitar que ele pressione o cordão e evitar uma cesárea. Gelei! Mas seja o que Deus quiser.

Ele fez um furinho na bolsa, com 9 cm e ficou controlando com um dedo deixava a bolsa esvaziar e com outro apoiava a descida do Felipe, mais ou menos nesta hora cheguei a dilatação total, mas a dor começou a voltar com TUDO. Pedi a analgesia novamente numa dose menor e foi o que salvou o meu parto normal.

Tenho certeza de que estivesse com outro médico, teria tido o Felipe por cesariana. O Dr. Marcos é MUITO paciente e vocês não têm idéia da segurança que ele me passou ao longo de todo o TP.

Como o Felipe estava com uma circular de cordão muito apertada e ainda por cima estava com um dos bracinhos embaixo do cordão (que passou junto com a cabeça dele no canal de parto tive uma laceração média e tomei alguns pontinhos.

Fiquei com meu pequeno nos braços praticamente o tempo todo até umas 4 horas da manhã (nós três: O Gui, o Marcos e eu batendo o maior papo), ele mamou ainda na sala de parto e depois ficou 2 horas apenas no berçário e foi para o meu quarto de onde só saiu no dia da alta.

A recuperação foi ótima, algumas horas depois do parto já fui andando até o banheiro fazer MUITO xixi..rsrsr. E às 6 horas da manhã ou seja menos de 5 horas depois do parto já estava tomando banho sozinha e lavando os cabelos para desespero da equipe de enfermagem (pouco acostumada com a recuperação de um parto normal). Aliás, na maternidade eu me sentia “meio” extraterrestre. Em todo o corredor (mais de 15 quartos) só eu tive parto normal.

E por estar super bem, pedi alojamento conjunto, então fiquei com o meu pequeno 24 horas por dia, fazendo tudo o que fosse preciso (Isso foi uma luta, ficavam dizendo que eu precisava descansar..rsrsrsr).

Felipe nasceu a 1 h e 31 min. da madrugada (horário de verão, senão seria 0 h e 31min), com apgar 9/10, e 3.120kg e 50 cm. Com exatamente 40 semanas.

Tenho MUITO leite e o Felipe mama MUITO bem.

Em breve, espero relatar o próximo parto e quem sabe desta vez sem analgesia…rsrsrsrsrsrs

Abraços de toda a família: Tiago, Juliana, Felipe e Luma (filha mais velha – de 4 patas).