Relato de Samantha – nascimento de Maria Júlia (02.02.08)

Bom, meu nome é Samantha, tenho 33 anos e sou casada com o Newton há cinco anos e já tínhamos uma filhinha chamada Ana Clara nascida em 30.08.05, de uma “desnecesárea” (por opção do obstetra).

Antes de relatar meu parto, preciso contar como essa história começou…

No início de 2007 viramos “tentantes” de uma nova gravidez, sendo assim comecei uma “procura” por um obstetra com uma filosofia diferente, humana, ética; que respeitasse a “vontade” do bebê em nascer, que apenas nos ajudasse no que fosse preciso no parto, então… recebi a indicação de algumas pessoas no Orkut; a procurar pelo “nosso” Dr. Marcos Tadeu Garcia e em 31.05.07 fui a uma consulta com ele.

Como tinha um histórico de ovários micropolicísticos e para que acontecesse a gravidez da Ana Clara, foi “necessária” a indução medicamentosa da ovulação, acreditei ser preciso novamente!

Mas como se fosse hoje, lembro-me das palavras do Dr. Marcos: “Me considero um alopata natureba, então nada de medicação, vá pra casa e chame o maridão pra fazer amor, se ele não quiser, chame-o pra fazer neném!!!” Enquanto isso, vamos fazer alguns exames pré-natais pra eu “lhe conhecer” e juntamente vou solicitar um BHCG!

E eu: ?????, como assim? Então, como seu ciclo está atrasado desde 21.03.07 (!!!), vamos ver se já não está grávida… E eu totalmente descrente, pois não sentia nada de diferente… Disse: ok!

No sábado à tarde, fui pesquisar os resultados dos exames via internet, sem nenhuma preocupação, pois como já disse, não sentia nada… e adivinhem: O BHCG, deu POSITIVO!!! Foi uma surpresa e tanto! Pro meu marido mais ainda, pois ele não sabia que eu tinha ido conhecer outro médico e muito menos que já tinha colhido exames!!! Sendo assim, logo liguei pro Dr. Marcos… E ele vibrou junto comigo: “Parabéns, você está grávida!”

E aí começa meu relato de parto da pequena Maria Júlia…

Gravidez tranqüila, sem intercorrências, tirando uma crise de asma com 8 semanas de gestação, com direito a internação de dois dias e logo depois com 10 semanas uma crise de hérnia de disco que me deixou de cama por cinco dias!!! E o Dr. Marcos, sempre na retaguarda…

Quando mais ou menos na 24ª semana, fiz uma USG que lá dizia: placenta baixa… E o Dr. Marcos, me tranqüilizando, dizendo que é muito cedo pra me preocupar… Depois, em outra USG, ela estava sentada… Que na USG das 34 semanas ela havia virado!!! Então era só esperar pelo grande dia do seu nascimento…

Estava já de 39 semanas e nada de entrar em trabalho de parto… Apenas com 1,5 cm de dilatação e nada, além disso! E eu não poderia receber indução por ocitocina devido minha cesárea prévia! O que fazer??? A data provável chegando… E o Dr. Marcos em todas as consultas SEMPRE orientava, DURMA, precisaremos de você descansada… Normalmente o trabalho de parto acontece de madrugada!!! Porém, a vida corrida continuava e não conseguia para pra dormir durante o dia…

Chegou o dia da consulta com 40 semanas e 4 dias (terça 29/01/08), nada de trabalho de parto, depois de muito pensar e conversar, eu, Newtinho e Dr. Marcos… Optamos por tentar desencadear com estímulos nas mamas, com uma bombinha de tirar leite elétrica, porém não quis acreditar e muito menos aceitar quando Dr. Marcos nos avisou que poderia não dar certo, que o tempo fosse passando e ficasse cada vez mais perigoso pra Maria Júlia… Com o coração apertado,os olhos marejados e com o maior pensamento positivo da minha vida, aguardei o dia seguinte, quarta-feira pra iniciar os estímulos com a bombinha… E que dor!!!! Fiz só um pouquinho, confesso!!! (rs)

Quando então, na quinta-feira, dia 31.01.08, um dia antes de completar 41 semanas… Comecei a sentir aquelas contrações como uma leve cólica, que pouco incomodava, bem no caminho pro consultório do Dr. Marcos… E eu dirigindo sozinha (encontraria o Newtinho lá) no super trânsito de São Paulo, 6 horas da tarde… Chegando lá, Dr. Marcos com aquela pergunta dele: “E aí, o que você me conta?”, pois já eram quase 41 semanas… Confesso que fiquei desanimada e ele começou a me preparar pra que se não fosse dar certo, precisaríamos pensar em descolamento de membranas (algo que eu não queria!). Ele me perguntou: o que você pretende fazer? Eu então disse: vamos examinar e dependendo como estiver o colo, decidirei se descolaremos as membranas hoje, ou não (coisa que eu não queria, não queria nenhum tipo de intervenção!). E no exame… QUASE 3 cm… Ele mudou sua fisionomia e nos disse com um sorriso no rosto: acho que neste carnaval, nos veremos na maternidade!!! Alí fiquei muuuuito feliz, em saber que logo logo estaria acontecendo um grande sonho, o de trazer minha filha ao mundo!

Dia seguinte, sexta-feira, dia 01.02.08, continuei com aquelas contrações com cólicas cada vez mais fortes, porém não me impedindo de fazer nada! Inclusive fui fazer as unhas e escovar os cabelos umas 16 hs… De táxi… Sozinha… Na volta meu marido foi me buscar e passamos num rodízio de pizza, onde comi muito bem!!! E as cólicas continuavam cada vez mais fortes, me fazendo parar pra respirar às vezes… Chegando em casa tive uma contração forte e resolvi tomar um banho pra relaxar.. Relaxei, mas logo depois… Elas voltaram, agora mais fortes e rítmicas… Eram 23:30 hs. Começamos a cronometrar e não lembrávamos mais das orientações do Dr. Marcos quanto à freqüência e tempo… Ligamos pra ele… Fomos cronometrando juntos… E as dores aumentando, lá pela meia noite e meia, elas estavam fortes durando 1 minuto e com intervalos de 5 minutos entre elas… Dr. Marcos então nos orientou a irmos pra maternidade, que ele iria pra lá em seguida…

Chegamos lá umas 3 horas da manhã com 4 cm de dilatação e contrações rítmicas e fortíssimas… Dr. Marcos chegou umas 4 horas… naquele momento me senti segura e vendo o grande momento chegar…

Eu lá, firme e forte, até onde desse não gostaria de ser anestesiada… Aquelas contrações que vinham a cada 5 minutos, cada vez mais fortes e quando acabam são como se nada estivesse acontecendo…

Meu marido, super ansioso, esqueceu de pegar nossas malas do carro, inclusive filmadora e máquina fotográfica! Às 9 da manhã estava com 6 cm de dilatação, foi aí que Dr. Marcos me mandou pro chuveiro (literalmente, pois tinha que molhar os cabelos e tudo! E lá se foi minha escova!) Papo vai, papo vem e as dores aumentando! Às 11:30 hs, estava com 7 cm, então o Dr. Marcos decidiu pela amniotomia (rotura da bolsa amniótica), como um mecanismo potencializador do trabalho de parto, já que não podíamos aumentar as contrações com ocitocina (devido a cesárea anterior).

Fiquei morrendo de medo de ter uma dor horrorosa, mas não senti nada! Dr. Marcos então disse, aproximadamente na hora do almoço, a bebê nascerá! Ele me orientava novamente sobre a hora do parto, como eu deveria proceder pra tudo dar certo, que deveria prestar atenção somente em suas orientações, etc, etc, etc… Pra mim, tudo estava claro; nosso parto (de preferência natural estava chegando!)

E eu, firme e forte sem anestesia!!! Claro, e as dores piorando!!!! Porém Dr. Marcos me dizendo que quando eu quisesse, ele chamaria o anestesista e em meia hora o Dr. Cássio estaria lá…

Eu ia mudando de posição, de costas na cama, nem pensar!!!! As dores eram muuuito piores, então eram menos doloridas naquela posição com as pernas tipo borboleta e inclinando o tronco para frente e “dividindo” a dor com meu marido… Vinham as dores e eu o apertava também!!! Coitado!!! Estava sofrendo comigo, nervoso que só!

Às 14 horas não agüentava mais (estava com 7,5 cm), implorei pelo Dr. Cássio… Que chegou em mais ou menos meia hora, que mais pareceram uma eternidade!

Nem acreditei quando ele me anestesiou… “Tirou” as dores com as mãos! Cheguei até a cochilar por 40 min…Depois disso, eram um revezamento, uns minutos na cama, uns na bola suíça, uns na cama…

As dores voltaram a piorar… E lá pelas 18:00 hs… No exame de toque, Dr. Marcos não dizia nada, somente examinava… Examinava novamente… Deixando-nos preocupados (eu, Newtinho, e a Karlinha (sua assistente)). Foi quando ele pediu a opinião da Karlinha que me examinou e concordou também: 9 cm de dilatação, porém a neném continuava alta!!!

Foi aí que me pediram pra fazer força… Fiz umas três vezes… E eles constataram o que eu não queria de jeito nenhum, a neném tinha virado a cabecinha e não tinha como descer pro canal de parto…

Dr. Marcos se aproximou de meu ouvido e disse, “Você foi uma guerreira, uma leoa!!! Lutou mesmo… mas existem momentos na vida que precisamos ter algumas escolhas, a vida é cheia de “ses” (“Se” tivesse feito isso, ou “se” tivesse feito aquilo) e precisamos fazer essa escolha agora, não dá mais pra esperar…” E lembre-se, “o parto não pode ser mais importante que o nascimento!!!”

A escolha foi uma cesariana…

E um silêncio pairou no ar… Meu mundo de sonho, onde aconteceria um parto natural ocorresse, acabou de uma hora pra outra. Eu me pus a chorar, me sentindo uma derrotada, incapaz, totalmente frustrada com este desfeche…

Fui chorando pro centro cirúrgico… Tanto Dr. Marcos quanto Dr. Cássio (anestesista), tentavam me consolar… E eu só queria ficar em silêncio, com minha frustração, chorando feito uma criança… Outra cesárea… Eu não queria acreditar, queria acordar logo deste pesadelo que transformou meu sonho!

Dr. Marcos… Ah! Foi um “fofo” (modo de dizer… Continuava preocupado comigo, profissional, ético, humano). Dr. Cássio me dizendo palavras positivas, dizendo que fiz um excelente trabalho, pra ficar feliz que conheceríamos logo Maria Júlia!!!

Meu marido, sempre ao meu lado, só dizia: “Vamos ver a carinha dela”! “Tentando me animar”. Mas…

Como já tinha tomado a peridural, foi aumentado a dose pra cirurgia e eu continuava “sentindo”, na verdade só não sentia dor! E foi muito estranho, sentia me “mexendo por dentro”! E a sensação de derrota era muito grande… Não via à hora daquela cirurgia acabar…

E… Às 18:50 hs, nasce Maria Júlia, pesando 3.660 kg, 52 cm, apgar 9-10 (perfeita, cheia de saúde e linda)! Eu a vi, me emocionei, tiramos fotinhas, vi como ela era parecida com nossa Ana Clara quando nasceu… Missão cumprida!!!

Quando Dr. Marcos dizia, “Agora vai sentir uma pressão…” A sensação foi muito ruim, “mexendo por dentro de mim”, comecei a chorar mais ainda… Então…Não via mais nada… Eles decidiram me sedar…

Só acordei na sala de pré-parto novamente, mal conseguindo abrir os olhos, com Maria Júlia chorando muito… Prontinha pra mamar!!!

Hoje 11.08.08, 6 meses depois… Sei que foi uma boa decisão a que foi tomada, pois o desfecho foi perfeito!!! Mas ainda carrego comigo um sentimento que vai me acompanhar pro resto da vida, o da frustração por não ter conseguido trazer minhas filhinhas ao mundo como sempre sonhei… Só eu e Dr. Marcos sabemos deste sentimento (agora vocês que lerem este depoimento), é involuntário e mais forte que eu…

E na última consulta com Dr. Marcos, eu disse… Eu ainda vou voltar aqui e você vai fazer um parto normal comigo (já pensou três filhos??? Risos)!!!

Bom, hoje somos uma família muito feliz; eu meu maridão, minhas duas filhinhas, nosso cachorrinho Freddy e esta é a história de um dos meus partos…